terça-feira, 23 de setembro de 2008

O POSCOMP me avalia e eu, agora, avalio o POSCOMP.


Na semana passada, dia 14 de Setembro, a Sociedade Brasileira de Computação (SBC) realizou simultaneamente em todo o país o Exame Nacional de Pós-Graduação em Computação (POSCOMP). Provavelmente a prova técnica coletiva mais complexa, abrangente e exigente do Brasil. Repetindo a fórmula dos anos anteriores e não contrariando as expectativas acerca do nível de dificuldade, a prova mais uma vez se tornou polêmica. Pra quem não sabe, o POSCOMP está a cada ano se tornando mais e mais um artifício de avaliação decisivo nas grandes universidades para avaliar e aprovar alunos em programas de Mestrado e Doutorado. O POSCOMP já é critério único da avaliação escrita em instituições como a USP, Unicamp, INPE e até a nossa mineira UFMG. Eu estava lá marcando presença e pude conferir que todos os comentários, que antes considerava exagero, realmente tem fundamento.

Bem, sai de Medeiros as 4 da manhã de moto, depois de fuscão, em uma viagem de 3 horas chegarmos à Lavras. No campus da UFLA poucas pessoas estavam presentes para realizar o exame. No máximo 30.

O POSCOMP, como nos anos anteriores, traz três cadernos de prova: Tecnologia da Computação, Fundamentos da Computação e Matématica. Com, respectivamente, 15, 40 e 15 questões em formato múltipla escolha cada. A prova de tecnologia foi definitivamente a menos complexa, acho que por tratar de temas mais permeáveis ao mercado e definidos no dia-a-dia do estudante-empregado essa prova se mostrou de mais fácil compreensão e logo, resolução. Temas como banco de dados e engenharia de software deram uma equilibrada no número de questões fáceis com difíceis. No entanto, as questões que tratavam de análise gráfica e processamento de imagens se mostraram muito complexas. A prova de fundamentos, maior é com certeza a mais demorada é o foco do exame. Nesta que, mesmo trazendo questões mais brandas sobre orientação a objetos, linguagens, estrutura de dados, álgebra booleana e circuitos, foi a prova mais complexa do exame. Grafos, matemática computacional, autômatos, arquitetura, IA, sistemas operacionais e compiladores foram os temas mais criticados nos fóruns e discussões pela internet em que participei. A prova de matemática, ao contrário de outros anos, foi a menos debatida. Sempre houveram críticas sobre a dificuldade e aplicabilidade da prova no exame. No entanto, gostei da prova, questões diretas que exigiam mais raciocínio lógico do que fórmulas. Ou seja, uma prova mais adaptada a realidade do 'computês'.

Em geral, o exame, do meu ponto de vista, avalia quase nada da qualidade técnica e realidade dos nossos alunos. Você sai do local de prova se perguntando o que a SBC quer realmente com uma prova tão abrangente em conteúdo e, ao mesmo tempo, tão específica ao se cobrar detalhes minuciosos nos temas cobertos por essa abrangência toda. A prova é sim, muito complexa, mas como em todo exame, existem questões fáceis, médias e difíceis. Após a realização do exame e navegando pela internet é fato que o descontentamento geral dos candidatos existe. Na comunidade 'POSCOMP' do orkut a discussão sobre a prova de 2008 já atinge o número de 150 posts em 5 dias, em geral as pessoas querem ver a média nacional. Nos últimos anos essa média está em torno de 20 acertos para 50 erros, ou seja, apenas 28% de aproveitamento. Um número baixo.

Existe uma polêmica em torno do POSCOMP que diz que essa prova está para se tornar a OAB dos engenheiros de computação, cientistas da computação, tecnólogos em análise e desenvolvimento de sistemas e analistas de sistemas. Para mim, pode até ser que isso venha a acontecer. Eu não sou contra o exame. Apoio e gosto da sistemática gerada. No entanto a prova, sem dúvida, precisa ser revista.

Quanto a logística, neste ano especificadamente, problemas com locais de prova aconteceram e foram avisados apenas por e-mail um dia antes! Não existe também uma ficha de inscrição ou qualquer comprovante confirmando a inscrição.
Por fim, como diz um amigo meu, a sensação que se tem após o exame é que o único, único intuito da SBC com o exame não é criar um critério de avaliação para programas de pós-graduação, e sim, identificar gênios.

PS: Só mais uma coisa, é detalhe.. mas enfim.. a qualidade da logomarca do POSCOMP usada no site da SBC está terrível. Dá uma sensação de amadorismo. Se alguém da SBC ler isto, por favor, aumente os DPI´s da figura. Aliás, mude o site todo.

4 Comentários - :

Silveira Neto disse...

O POSCOMP serve como parâmetro a mais para as instituições de ensino poderem avaliar entre alunos de diversas instituições diferentes.
Pela abrangência e heterogeneidade dos currículos, o POSCOMP sempre vai ter uma média baixa. Eu não vejo problema nenhum nisso.
Não é papel do POSCOMP ser uma OAB para a Computação, não é objetivo dele e não deve ser tratado como tal. Até porque a SBC (e eu também) é contra a chamada regulamentação da profissão.

Anônimo disse...

Silveira Neto, aposto que vc é um engenheiro ou coisa que o valha, menos um cara da área de computação para não querer a regulamentação da mesma!

WagnerLeão disse...

Olá Ciniro.
Estou em busca de todas informaçõe possíveis sobre a POSCOMP, pois pretendo me preparar para realizar em breve.
Gostaria de saber se você obteve êxito em sua prova e como faço para me preparar ten do em vista que o conteúdo é bem abrangente.

Anônimo disse...

Sempre aparece essa pergunta, porque a prova do POSCOMP é tão difícil.
Bem, a menos que você seja formado em todas as áreas que a prova do POSCOMP avalia e seja muito bom em todas elas( e teria que ser muito bom mesmo), você não deveria ser capaz de acertar todas as questões :). O POSCOMP não é uma prova de vestibular para graduação e avalia uma infinidade de perfis diferentes de graduações. Vocês sabem quantas áreas diferentes dentro dos campus com graduações na área de informatica e computação existem?
Vale lembrar quem os cursos tem acesso as pontuações feitas em cada área de conhecimento da prova.
Os cursos de pós-graduação podem usar essas informações como quiserem para fazer a seleção, nos melhores cursos do pais você é eliminado se não estiver acima da media nacional do ano que fez a prova, o que é muito justo uma vez que são os melhores cursos do pais. Em outros a prova so conta como uma parte da seleção conferindo alguns pontos, em outros a faixa de corte é mais baixa e as vezes so em uma das áreas de avaliação.
Não tenha em mente o sistema de avaliação de 0 a 10 com media acima de 7 que se prega em praticamente toda a vida estudantil, o POSCOMP não é assim, o critério não é esse e se tem algum curso de pos graduação usando esse tipo de criterio das duas uma, ou são pessoas ignorantes que não tem ideia do que estão exigindo ou estão selecionando somente pessoas em um nível completamente diferente dos 90 ou mesmo 99 porcento dos alunos de graduação.
E sim, quem fizer todas as 70 questões de forma correta no POSCOMP é um gênio. E quem faz todas as questões em outras provas difíceis talvez não tão gênios assim.
Creio que se for revista a prova, seria para incluir mais algumas outras novas areas da informatica e computação mais voltadas para humanas e não tao exatas, mas acho dificil isso acontecer.

Postar um comentário

Por favor! Comente! Pode ser qualquer coisa!