sexta-feira, 26 de março de 2010

Lembram-se vocês de Patrícia Namitala? Pois é!



Notícias da UFMG - sexta-feira, 26 de março de 2010, às 7h01

Jornais populares serão tema de debate na Fale


Os tablóides dirigidos às classes populares e de baixa escolaridade serão tema da próxima edição do Fórum de Ensino da Leitura, nesta sexta-feira 26, na Faculdade de Letras. O assunto será exposto por Flávia Miranda, mestre em Comunicação Social pela UFMG, com participação de Patrícia Namitala, professora de redação e revisora de textos. O evento terá início às 18h, com entrada franca.

Flávia vai apresentar breve panorama dos jornais populares no Brasil e no mundo. Sua proposta é de um olhar aberto e reflexivo sobre o lugar dessas publicações na contemporaneidade. Patrícia vai abordar a formação de leitores em sala de aula, privilegiando o desafio de valorizar o cotidiano e o interesse do estudante e relatando sua experiência de usar jornais populares no trabalho com adolescentes na escola pública.

Flávia Miranda, que fez pesquisa de mestrado sobre jornais populares, é analista de comunicação do Instituto de Governança Social (IGS), de Belo Horizonte. 

Patrícia Namitala, graduada em Letras pela Unifor (MG) e pós-graduada em revisão de textos pela PUC Minas, é revisora da Editora Bernoulli e colaboradora do Programa A Tela e o Texto, da UFMG.

Outras informações em www.letras.ufmg.br/atelaeotexto.

quinta-feira, 11 de março de 2010

O que acontece quando você acaba de beber UMA lata de refrigerante!

Recebi por e-mail um texto interessante do Professor Carlos Alexandre Fett, mestre em nutrição pela UFTM. Ele fala no artigo rápido o que acontece no período de 60 minutos que se segue após a ingestão de uma lata de refrigerante. Após ler, eu estou preferindo somente sucos mesmo. É uma informação importante e de utilidade pública. Sugiro que leiam.
Grande abraço!


O QUE ACONTECE QUANDO VOCÊ ACABA DE BEBER
UMA LATA DE REFRIGERANTE 

Primeiros 10 minutos: 
10 colheres de chá de açúcar batem no seu corpo, 100% do recomendado diariamente.
Você não vomita imediatamente pelo doce extremo, porque o ácido fosfórico corta o gosto.

20 minutos:
O nível de açúcar em seu sangue estoura, forçando um jorro de insulina.
O fígado responde transformando todo o açúcar que recebe em gordura (É muito para este momento em particular).

40 minutos:
A absorção de cafeína está completa. Suas pupilas dilatam, a pressão sanguínea sobe, o fígado responde bombeando mais açúcar na corrente. Os receptores de adenosina no cérebro são bloqueados para evitar tonteiras.

45 minutos:
O corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do corpo. (Fisicamente, funciona como com a heroína.)

50 minutos:
O ácido fosfórico empurra cálcio, magnésio e zinco para o intestino grosso, aumentando o metabolismo.
As altas doses de açúcar e outros adoçantes aumentam a excreção de cálcio na urina.

60 minutos: 
As propriedades diuréticas da cafeína entram em ação. Você urina.
Agora é garantido que porá para fora cálcio, magnésio e zinco, os quais seus ossos precisariam.
Conforme a onda abaixa você sofrerá um choque de açúcar.
Ficará irritadiço.
Você já terá posto para fora tudo que estava no refrigerante, mas não sem antes ter posto para fora, junto, coisas das quais farão falta ao seu organismo.

Pense nisso antes de beber refrigerantes.  
Se não puder evitá-los, modere sua ingestão!
Prefira sucos naturais.
Seu corpo agradece!

quarta-feira, 10 de março de 2010

Tostão contra o desperdício de dinheiro público

O texto abaixo foi enviado a uma lista de discussão da qual participo. Achei o conteúdo muito interessante e válido de se ler. Logo, disponho o mesmo aqui pra vocês. Que nosso senso de respeito na administração pública seja aguçado pelas atitudes e palavras de pessoas como o nosso ex-jogador de futebol Tostão. Segue:

NOTÍCIA PUBLICADA NOS JORNAIS EM 25/09/2009 AS 18:00
Presidente Lula define prêmio para jogadores que venceram a Copa do Mundo; valor pode chegar a 465 mil reais. O presidente Lula e a Associação dos Campeões Mundiais do Brasil negociam aposentadoria e indenização para os atletas da seleção que ganharam Copas do Mundo. O benefício valerá inicialmente aos ex-jogadores de 1958 e se estenderá, posteriormente, a quem atuou nos Mundiais de 1962, 1970, 1994 e 2002. Reunião na Casa Civil discutiu as cifras a serem pagas aos campeões. Inicialmente, o valor negociado para cada um gira em torno de mil salários mínimos, no caso da indenização (465 mil reais), e de dez salários mínimos (4.650 reais), o teto da Previdência,para a aposentadoria. A expectativa é que o anúncio da nova medida seja feito pelo governo na próxima semana.

RESPOSTA DO JOGADOR TOSTÃO AO NOSSO PRESIDENTE
"Na semana passada, ao chegar de férias, soube, sem ainda saber detalhes, que o governo federal vai premiar, com um pouco mais de R$ 400 mil, cada um dos campeões do mundo, pelo Brasil, em todas as Copas.
Não há razão para isso!
Podem tirar meu nome da lista, mesmo sabendo que preciso trabalhar durante anos para ganhar essa  quantia.
O governo não pode distribuir dinheiro público. Se fosse assim, os campeões de outros esportes teriam o mesmo direito. E os atletas que não foram campeões do mundo, mas que lutaram da mesma forma? Além disso, todos os campeões foram premiados pelos títulos.
Após a Copa de 1970, recebemos um bom dinheiro, de acordo com os valores de referência da época.
O que precisa ser feito pelo governo, CBF e clubes por onde atuaram esses atletas é ajudar os que passam por grandes dificuldades, além de criar e aprimorar leis de proteção aos jogadores e suas famílias, como pensões e aposentadorias.
É necessário ainda preparar os atletas em atividade para o futuro, para  terem condições técnicas e emocionais de exercer outras atividades.
A vida é curta, e a dos atletas, mais ainda.
Alguns vão lembrar e criticar que recebi, junto com os campeões de 1970, um carro Fusca da prefeitura de São Paulo . Na época, o prefeito era Paulo Maluf. Se tivesse a consciência que tenho hoje, não aceitaria. Tinha 23 anos, estava eufórico e achava que era uma grande homenagem.
Ainda bem que a justiça obrigou o prefeito a devolver aos cofres públicos, com o próprio dinheiro, o valor para a compra dos carros.
Não foi o único erro que cometi na vida. Sou apenas um cidadão que tenta ser justo e correto. É minha obrigação."

terça-feira, 2 de março de 2010

Necessidade

Quando entrei na roda e ouvi o

som do berimbau é que fui

perceber o quanto estava

precisando jogar um angolinha..