quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Os amigos que perdemos ao longo da vida

Esse é um post que eu só poderia escrever nesse momento. Em nenhuma outra parte da minha vida até então eu teria maturidade suficiente para conseguir confabular sobre o assunto que vou tratar a seguir. Não que maturidade seja alguma coisa mensurável, maturidade inclusive é uma caracteristica que a gente despreza ao longo dos anos simplesmente por achar que isso é uma balela. Contudo, é só lá na frente que percebemos que ela de fato existe. E mais, percebe que ela é realmente importante. Dá serenidade.

O ser humano tende a se misturar em diversos bandos de tempos em tempos. Perdi as contas de quantas vezes pensei que para sempre poderia confiar em certas pessoas, ou até estava com toda a certeza consciente de que apartir de dado momento eu iria trilhar meu caminho com os amigos do momento. Mas com o tempo vemos que a célebre frase “os amigos mudam” é uma coisa mais que verdadeira.

Antes dos 18 uma roda social, depois dos 18 outra roda social, apartir dos 20 outra roda social, depois dos 23 outra roda social... rodas sociais a vida toda. Rodas sociais, redes sociais, redes virtuais.. associações.


Não existiu pra mim um momento para mudar de amigos, tudo aconteceu e acontece ainda em decorrência do destino e dos caminhos que cada uma das pessoas trilham. O fato de você se associar por si só já é uma coisa muito arriscada. Considero que ao devotar confiança as pessoas a sua volta você automaticamente perde o livre arbítrio e o controle sobre a sua expectativa e condição de ser uma pessoa feliz.

A pessoa de muitos amigos confiáveis não é sempre uma pessoa feliz, aliás nunca será.

Bom, cada caso é um caso, mas reflitam. Se você se associa a uma pessoa de forma a se importar realmente com ela por consequencia não são somente os seus atos que vão determinar o seu bem estar, logo você estará a mercê de se tornar uma pessoa infeliz em decorrência do comportamento de outrem.

Para ilustrar, imagine você desenvolver ao longo de toda a sua vida um grandioso laço de confiança com uma pessoa e por ela devotar importância. Depois esta pessoa resolve que vai começar a beber, ou sei lá.. fazer teatro, ou se mudar para bem longe, não importa o motivo. Independente do que for, você estará sujeito a não gostar das atitudes desta, e aí o que sobrará para você é uma desconfortável balança na qual pesa-se de um lado o carinho e a necessidade de tê-la ao seu lado e do outro as atitudes e os comportamentos dela que lhe ferem.

Passamos a vida toda pesando na balança essas duas características. E assim, pelo menos em minhas conclusões, deixamos pouco a pouco de lado a importância que deveríamos dar em nós mesmos, ou seja, deixamos de lado o objetivo principal, estar feliz.

Esse pode ser um pensamento prepotente e miserável, um pensamento inimigo, aquém e contrário ao que pensam apaixonados ou indivíduos que nutrem verdadeiras amizades. Contudo, não é esse o ponto que quero chegar.

A forma correta de associação seria sempre delimitar uma linha de intimidade. Um máximo possível de invasão em território alheio. Um limite que permita viver tudo que for possível de forma agradável sem se colocar numa posição de vício, necessidade e ainda assim, manter a qualidade no fato de estar junto, compartilhar momentos e dividir sentimentos.

Provavelmente é mais fácil para o ser humano se deixar levar, entrar de cabeça no outro. Mas essa não é a fórmula que vejo para o sucesso na associações. E deve ser por isso mesmo que como muita gente também sofri muito em vários momentos por deixar lugares, deixar pessoas, deixar ocasiões. Ser deixado em lugares, ser deixado por pessoas e ver ocasiões felizes se esfalecerem no ar por pura necessidade de “sempre”.

Hoje entendo que não é fácil encontrar essa linha de limite no próximo. E quando encontra-se você ainda assim estará sujeito as dificuldades que qualquer relacionamento impõe. E logo, não estará mais sendo senhor de sua expectativa de felicidade. O mais fácil é entender que os amigos passam, e quando isso for necessário é melhor ainda entender que outros amigos vão aparecer e que sofrimento, como tudo, também é momento.


A boa notícia é que por todas as turmas por quais passamos sempre deixamos algo gravado na memória, e para alguns indivíduos destas turmas a memória se torna uma verdadeira amizade com linha de limite definida e uma balança de necessidade mútua totalmente estável. É como uma seleção que se dá de forma natural.

Não procure amigos definitivos, viva o momento junto com cada um deles, a vida vai te dizer depois de muito tempo quem deverá ficar ao seu lado e quem deverá sair, não importa o que você faça agora ou que faça depois. Isso é uma verdade universal não importa onde você esteja.

Obrigado a todos os amigos que fiz em 2010.
Obrigado a todos os amigos que fiz ao longo de toda a vida.
E obrigado a todos os amigos meus que ainda meus amigos são.

Feliz ano novo a todos vocês!

PS: Post escrito em Medeiros, sentado no sofá da sala depois de sair na praça e não encontrar nenhum dos meus amigos.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Virada de mesa


Em 2004 eu estava trabalhando de servente de pedreiro na rede esgoto da cidade de Medeiros...

Em 2010 sai no Diário Oficial da União a seguinte nota:

"PORTARIAS DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010

O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto da Instituição, aprovado pela Resolução nº. 7, de 31 de agosto de 2009, do Conselho Superior do IFMG, publicado in DOU de 2 de setembro de 2009, Portaria do Ministério da Educação n° 7 de 08 de janeiro de 2009, publicada in DOU de 8 de janeiro de 2009, Seção 2, e considerando o disposto no artigo 10 da Lei 8.112/90, e com base na autorização dada pelas Portarias nº 11/10/MEC, nº 988/10/MEC de acordo com Edital nº 005/2010, de 30/03/2010, publicado no DOU de 31/03/2010, homologado em 01/07/2010, resolve (n844):

Art. 1º. NOMEAR, em caráter efetivo, sob o Regime Jurídico Único, instituído pela Lei nº 8.112, de 11/12/1990, publicada no DOU de 12/12/90, conforme Processo nº 23208000869/2010-DV, CINIRO APARECIDO LEITE NAMETALA, habilitado e classificado em 3º lugar no Concurso Público de Provas e Títulos para a Carreira de Magistério, no Cargo de Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, Classe D1, Nível 1, no regime de trabalho de 40 horas com Dedicação Exclusiva. Código de vaga nº 0841678, para o IFMG - Campus Avançado de Ouro Preto na cidade de Betim. 

Art. 2º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação."

Obrigado Deus!