segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Mania de Catastrofismo

Você tomando banho com a porta aberta e a TV ligada na sala, som tão baixo, televisão quase muda. Situação normal e tranquila. Uma mosca corrói uma bolacha Maria sobre uma mesa imunda na cozinha. A mesa está suja, mas a casa está relativamente limpa. O calor é forte e enebriante, desses que gera dor de cabeça.

No ar o som da TV se mistura ao do ventilador de pobre ligado no nível 3, ZumbidosssssSSSzzZZzzzz.

Lá no fundo um latido de cachorro de rua, mas esse é bem lá no fundo. Mal se ouve o cachorro. A luz do sol entra por qualquer janela de vidro iluminando toda a casa, o piso, o teto, a cômoda bege do lado da cama bege que fica de frente para o guarda roupas tabaco, todos distantes da sapateira.

A torneira da pia quase fechada, pinga, pingo, pinga, pingo, pinga (pausa                                ) pingo, pinga, pingo...

Só falta o ar falar.

UM TELEFONE longe IRROMPE! Back In Black polifônico e luzes legais de visor.

O pingo da pia para, a luz balança com o susto, o cachorro cala a desgraça da boca, o ventilador e a tv parecem prestar atenção, a mosca voa da cara da Maria, AC/DC sem pudor entra lascivo pela porta do banheiro - cheio de eco - cheio de ecos - A água do chuveiro para, o som fica turvo, só o ralo por onde a água sai entende o que aconteceu e merece atenção dos olhos trêmulos.

Um pensamento guardado em uma caixa, louco pra saltar, mostra pra você que nesta etapa de sua vida é ele quem comanda suas ações. Este vínculo filho da puta, maldito e prepotente, toma as rédeas das suas idéias.

Seus olhos fixos no ralo, a água escorrendo pelo corpo, aquele sabonete barato, liso e cheiroso parado entre os dedos. O som da água batendo no piso úmido parece ter feito acordo com seus pensamentos, uma catástrofe está por vir.

20 minutos sem ar, angustiantes, de coração acelerado e apreensão.

Depois...

- Alô! Opa tudo bem?
- O que aconteceu!? Tem duas horas que estou tentando te retornar. Você liga, eu saio correndo do banho, pego o telefone molhado e quando vejo "ligação perdida". Liguei de volta 20 vezes e você não atende. Pensei mil coisas na minha cabeça. Onde você está?
- Ué, na porta da sua casa, olha eu aqui ó! :)

O pingo volta a cair, o cachorro volta a latir infernalmente, o ventilador sopra, a tv muda continua com a programação, a mosca mordisca novamente a bolacha e o chuveiro, esquecido ligado, verte água em desperdício.

O mundo não havia parado, tudo estava do mesmo jeito de sempre e sempre assim vai ficar.

Que bom.

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Projeto Super Catan - Parte I

Lá estava eu, caminhando descompromissadamente pelo BH Shopping em um domingo chato, tão dominical.

Os ricos casais recém casados do Belvedere olhavam opções de móveis estúpidos em algum lugar, emos, patis e playboys se estranhavam na fila do cinema, gente descolada comia salada (bosta) na praça de alimentação como se fosse churrasco e cães tristonhos se mantinham abandonados no estacionamento enquanto dondocas ricas compravam geléia de kiwi para passar no rosto. Tudo normal e adequado para um lugar como este.

Subo "rolantemente" alguns lances de escada e como de praxe resolvo entrar na Leitura para ver uma ou outra novidade. Passo pela seção de filmes, pela de quadrinhos, pela de games, pela vergonhosa e diminuta seção de RPG e entre uma volta e outra, olho pro seção de brinquedos. Além das mães fingindo que leem histórias, as babás fingindo que vêem as crianças e as crianças que se descabelam e gritam por um boneco do Ben 10, brilha ao fundo uma estante de jogos de tabuleiro. Uma linda estante. Uma fantástica, completa e linda estante. Contudo, tão abandonada e tristonha quanto os cães no estacionamento.


Apesar do fascínio por legos, quebra-cabeças 3D, miniaturas, video-games, jogos de tabuleiro, RPG e outros brinquedos adultos mais, resolvi nunca entrar naquele ambiente inóspito e com cheiro de leite ninho. Todos ali inspiravam  medo. Eu seria um visitante estranho ao lugar caso lá fosse, só de pensar em lá estar, o receio de ser atacado apitava em minha cabeça como um Spider Sense. E assim pensava eu: "Por quais motivos colocariam jogos de tabuleiro na seção infantil? Fuck!"

Resolvi dar uma outra volta no shopping. Fui até uma loja de informática comprar um HD externo que precisava. Enquanto olhava o HD e o vendedor falava sobre o quanto aquele modelo era bom, eu me peguei voando, com a cabeça na estante de jogos de tabuleiro. Ela voava em meus pensamentos dizendo "venha, venha, venha". Bom...    eu fui.

Adentrei a seção infantil rodeado de olhares maternos do tipo "Quem é esse?" "Onde estão seus filhos?" e também de olhares infantis curiosos do tipo "Será esse o Max Steel?". Ignorei todos. Comecei a olhar a estante, vários jogos imbecis quais antigamente fui obrigado a jogar na escola: Mau mau, Imagem e Ação, Perfil, Banco Imobiliário, Jogo da Vida e etc. Já estava começando a entender o porque daquelas caixas se amontoarem no recanto das crianças, quando lá na parte de baixo do móvel, numa caixa vermelha e feia, com desenho tosco que lembrava filmes antigos, pude ler "Colonizadores de Catan"....

...nunca ouvi falar desse!


Tomei a caixa na mãos e li sobre: (...) "Criado em 1994 por Klaus Teuber, Alemanha, chega ao Brasil. Lançado em 1995, com o nome Die Siedler von Catan, o jogo já é considerado um clássico, tendo vendido mais de 18 milhões de unidades no mundo todo. O jogo já ganhou diversos prêmios nacionais e internacionais: Pena de Ouro (Essener Feder)1995, na Alemanha em 1995, Jogo do Ano (Spiel des Jahres), o 1º lugar do Prêmio Alemão de Tabuleiro (Deutscher Spiele Preis) em 1995, o Prêmio Origins (Origins Award Winner) em 1996. Na República Tcheca, Jogo do Ano (Hra Roku) em 2004, Jogo do Ano (Gra Roku) na Polônia em 2005 e Prêmio Jogador de Tabuleiro (Board Gamer Award) em 2008 na Rússia. É um dos jogos mais vendidos de todos os tempos na Alemanha, sendo talvez o primeiro Jogo de Tabuleiro de Estilo Alemão a alcançar tanta popularidade fora da Europa. Nesse jogo, colonos disputam o domínio de uma ilha, construindo aldeias, estradas e cidades. Foi traduzido em mais de 32 línguas – do coreano ao hebreu" (...)

Pensei: "Uau! Que currículo!". Paguei 100 reais no mesmo, bem ressabiado. Levei pra casa e joguei ele lá num canto.

ALGUNS DIAS DEPOIS...

Em Medeiros, decidi sair na varanda de casa quando de repente, vejo que um cachorro ao se aproximar do poste de energia elétrica resolve executar um processo de eliminação de ureia. Em Medeiros, não temos estrutura muito segura da CEMIG, assim, o cachorro ao terminar de mijar no poste além de satisfeito por estar aliviado, sabia (eu pude perceber por sua cara de prazer) que era agora o motivo de ter feito com que toda a cidade ficasse sem luz. Fato que durou algumas chatas horas.

O que fazer até que técnicos da CEMIG se mobilizassem para sair de Katmandú e viessem a Medeiros resolver o problema?

Liguei para alguns amigos dizendo que havia comprado um novo jogo de tabuleiro e os convidei para testarmos o mesmo. Eram oito pessoas. Como o Catan só é jogável para até quatro, nos dividimos em duplas, quatro duplas (de dois). Como a luz havia ido embora graças ao singelo Canis lupus precisamos também acender velas, fato que incrementou o clima medieval, proposta do jogo.

Algumas horas depois estava estasiado. Que jogo fantástico! Como era fácil, clássico, competitivo, inteligente, estratégico e, logicamente, bem dosado com o fator "Sorte". Todos gostamos muito. Senti que o retorno financeiro em moeda "diversão" estava garantido. Depois deste dia jogamos ainda muitas, muitas e muitas vezes.

O diferencial do Catan para outros jogos é que, além das características básicas de turno de jogo, rolamento de dados, vários players e um tabuleiro, o game adiciona um elemento muito inovador chamado "Capacidade de Negociação". Em suma, para ser o vencedor você precisa acumular dez pontos. Cada ponto advém da compra, manutenção e gestão de vilarejos, estradas e cidades. Estes só podem ser adquiridos mediante a posse de recursos fictícios que no jogo são representados por cartas, no caso: Feno, Madeira, Ovelha, Barro e Pedra. Quando você não possui um destes, a orientação é que você barganhe com os seus adversários para que você consiga adquirir o que precisa e assim poder comprar novas construções e juntar mais pontos. Conforme você vai edificando seu império no tabuleiro você terá acesso a evoluções através das cartas de desenvolvimento que lhe garantem vantagens especiais.

Construindo a versão personalizada do Catan, o Super Catan

Não é fácil repassar todas as regras por aqui (não sei se me fiz entender), contudo, recomendo muito a quem quer garantir algumas horas de diversão e possui amigos e finais de semana para isso. Você pode aprender mais sobre o Catan através deste:

Vídeo explicativo
Manual de regras
Site oficial do produto
Versão online gratuita do jogo

Achamos o jogo tão fascinante que após alguns meses resolvemos inclusive criar nossa própria versão personalizada. Um projeto que chamamos de Super Catan. Um Catan com novas regras, cartas de desenvolvimento, um tabuleiro de tamanho infinito, possibilidade de criar várias ilhas, novas construções, para mais jogadores e com o elemento "guerra" incluído".

Esse deu um trabalhão mas é história que eu deixarei pra contar pra vocês em outro post.

Abraço a todos