domingo, 22 de setembro de 2013

Sobre o asfalto que ligará Medeiros a Pratinha

Ao que chega aos ouvidos da população medeirense e coloca muitos cidadãos em polvorosa é a polêmica malha asfáltica que ligará o município de Pratinha a nossa querida Medeiros. Pelo que tudo indica a licitação foi finalizada e as obras estão já para começar. Contudo as informações são poucas. Nenhuma via oficial retumbante da prefeitura foi utilizada para comunicar o povo dos pormenores e assim, vê-se atualmente nos bares, na praça, nas repartições públicas, sentados nos bancos de madeira à porta das casas e até no facebook (novo recanto virtual medeirense) o assunto ser debatido em frenesi.

Pessoalmente não gosto da ideia (pelo menos a princípio), entretanto prefiro me manter a espreita, pois apesar das desvantagens a obra também pode trazer benefícios se bem aproveitada. Principalmente em longo prazo. Sei que é muito difícil para uma cidade pequena conseguir uma benfeitoria dessa magnitude e é por isso mesmo também que á de se tirar o chapéu para os responsáveis pela captação do recurso. Mas vamos ser cautelosos, afinal só o dinheiro não é o bastante, precisa-se antes de tudo aplicá-lo de forma eficaz através de um bom projeto. Quero discutir aqui pontos positivos e negativos que percebo sem me manter polarizado de um lado ou outro da questão, nesse sentido vejo como melhor posicionamento o meio termo.


Vista de Medeiros do alto de uma de suas muitas serras. No momento, sem asfaltamento.           (Foto: Ciniro Nametala)
Bom, vamos lá. Todos devem saber que se a licitação já está feita e o projeto está para ser executado então a menos que se deite no meio da pista ou se amarre a uma árvore fazendo greve de fome dificilmente a ação terá volta, ou seja, é daqui pra frente e pronto! Entretanto, a meu ver, o pior inimigo visto neste processo para o momento nem é a obra em si e sim a falta de informação da população. Os cidadão não foram ainda informados oficialmente se a rodovia vai passar DENTRO ou FORA da cidade. Este inclusive é o grande ponto da polêmica! O que todo mundo sabe e defende com unhas e dentes é que a pista dentro da cidade é um mau negócio. Mas caso isso ocorra gostaria de exprimir meu sentimento e opinião sobre o fato nas linhas a seguir. 

Eu fico um pouco triste pois sempre fui pessimista com relação a este projeto. Mesmo morando em Araxá por três anos e passando por aquela péssima estrada direto nesse tempo, nunca fui fã da ideia da obra. Sempre me perguntei e sugiro que todos também se perguntem: Medeiros já não é uma cidade que oferece boa qualidade de vida aos seus cidadãos? Porque Medeiros tem que ser ligada através de uma BR movimentada a cidade de Pratinha? Quais as REAIS vantagens para A MAIORIA POPULAÇÃO? Isso agrega alguma coisa no fim das contas?

Pra início de conversa em meu ver não precisamos tanto disso assim, a comunidade não possui uma necessidade iminente desta ligação. Acho que quem tem a felicidade de não ter o rabo preso ou vive uma vida onde o pão de cada dia não depende da “puxação de saco” pode observar tudo até com um olhar mais imparcial e ver que isso de fato não parece ser uma boa pedida. Na verdade, a obra seria vantajosa mesmo só pra poucos, muito poucos. E esses poucos pra quem seria bom, notadamente já têm muito. Para o restante do povo a cidade já é muito acolhedora e cheia de vantagens. Não estou dizendo que não devam ser feitos investimentos em Medeiros, tem que se investir sim, mas asfalto de Medeiros a Pratinha é o melhor investimento mesmo para a cidade? Se sim, porquê? Alguém me diga.

Juro que queria muito ser convencido de que isso vai dar 100% certo, mas vejo que todos os argumentos que partem dos defensores da obra são em geral incipientes, sem números ou informações levantadas de forma concreta, sem metodologia. Não basta chegar e bradar a todo pulmão a palavra "progresso". "Obra do século" uma ova. O que tem que ser explicado é o Retorno sobre o Investimento! E explicado com detalhes, tim tim por tim tim: Onde? Para quem? Quando? Por quê? Como? A falta dessas respostas incrementa a lenha na fogueira do blá blá blá e abre margem para que o povo discuta o que quiser, pense o que quiser e saia falando o que ás vezes só pensa ser verdade.

Uma obra dessas, caso corte a cidade, vai ser um divisor de águas. O efeito vai ser sentido rapidamente também em Pratinha e Bambuí (que hoje são também cidades relativamente seguras justamente por esta ligação asfáltica não existir). Muitos usam como argumento que esse tipo de levante de parte da população em prol da "manutenção do como está" é papo furado e inclusive colocam como exemplo a ligação Medeiros a Bambuí feita em 1988. Dizem que as discussões foram as mesmas na época e que no fim nada demais aconteceu. Contudo muito cuidado meus amigos! A questão do último asfalto é entendível, entretanto a de se ver que os tempos mudaram muito. Isso foi a mais de 20 anos atrás! Vivemos em época bem diferente! Algumas importantes questões a se discutir agora, no ano de 2013: Escoamento da produção da Total Agroindústria, novas rotas de ônibus e caminhões, empregos de "beirada de asfalto", segurança pública, migração populacional, expansão desordenada do comércio, aumento descontrolado e não planejado da infraestrutura urbana, prevenção contra acidentes, sinalização de trânsito e outros tantos pontos que precisam detalhadamente ser planejados a fim de dar, no mínimo, sensação de segurança a todo mundo de que as coisas estão sendo feitas com sensatez. Aos defensores que não se questionam e renegam estas importantes linhas de pensar o futuro da cidade digo que é fácil não reclamar no momento, mas caso o efeito seja negativo, prevejo que provavelmente amanhã mesmo esses mesmos que elogiam hoje, esquecerão tudo que disseram apoiando, sentarão em cima de seus próprios rabos e terminarão a história reclamando e pondo a culpa nos outros como se nunca tivessem dito nada. 

Outro ponto que vale ressaltar é que cidades mineiras parecidas com Medeiros com apenas uma ligação direta como Alto Caparaó, São Roque de Minas e São Thomé das Letras vão muito bem e inclusive conseguiram desenvolver seu "progresso" baseado no seu maior bem: O potencial turístico e o arranjo produtivo local. Nestas foi preservada a característica de fazenda do lugar, Medeiros meio que perderá isso agora. Subir a serra no sentido a Pratinha de bicicleta, de moto ou passear lá no alto é muito bonito, agora não vai ser mais tão assim. Em meio a esse mar de argumentos o que me deixa mais receoso no fim das contas é mesmo a questão da segurança. Se Medeiros perder a característica de lugar tranquilo, Medeiros vai perder tudo! Essa é a cara da cidade! Ou já se esqueceram do "Medeiros, o melhor lugar pra se viver!"? Vocês não querem mais ser uma cidade com característica de integrante do Circuito da Canastra? Se ainda assim resolverem me disser que não vai mudar nada pra pior, volto a perguntar: Como você sabe que não? Onde estão os estudos de impacto?

Agora caso a burrice de passar a BR pelo meio da cidade não ocorra, vários pontos positivos poderiam até ser observados, mas mesmo assim a obra principal precisaria do incremento de inúmeras outras estruturas de suporte como uma rodoviária mais afastada, expansão da delegacia local e reforço do corpo policial, obras de estruturação interna da cidade como reforço das calçadas, alargamento de vias e implantação de sinalização horizontal e vertical de trânsito, pois mesmo passando por fora o trafego vai aumentar. Com essas ações concluídas os benefícios seriam mais observáveis que os malefícios e assim poderiam todos comentar não só os novos problemas mas também as novas facilidades prováveis como viagens mais rápidas, a injeção de dinheiro no comércio local, o acesso fácil de turistas a nascente do Rio São Francisco, a fluidez no escoamento da produção de queijo artesanal, café, feijão, arroz, maracujá, laranja, leite e outros produtos, a possibilidade de se estudar e fazer negócios nas cidades do triângulo mineiro, o acesso mais facilitado a tratamentos de saúde que hospitais no sentido Formiga não oferecem e mais uma série de coisas boas que provavelmente com essa via rasgando a cidade ao meio vão acabar na obscuridade por simples falta de comunicação e planejamento. 

Quanto a comunicação que deve sempre ser prezada e tenho tanto falado, pelo que sei, infelizmente o projeto não passou por processo de divulgação mais abrangente que a simples publicação do mesmo nos sites governamentais e assim, eu como outros muitos, não temos com este familiaridade. Espero que pelo menos algumas das condições que apresentei acima estejam sendo contempladas a fim de minimizar todos os impactos negativos e maximizar os benefícios que obra pode trazer. Apesar dos pesares o que dá pra lamentar já é o fato de que todas essas decisões, tão influenciadoras na vida dos habitantes, não foram colegiadas com a população através de consultas públicas, debates, plebiscitos, informativos ou até jornaizinhos explicando "os porquês" desse projeto. Inclusive acho que esse tipo de nota ainda cabe e está em tempo de ser feita pela prefeitura, afinal a obra ainda não começou. Muitos discutem o custo ou a lisura do processo mas isso é assunto para quem está envolvido no processo licitatório, não acho que isso caberia aqui neste post. 

Pra finalizar, como disse, quero muito mudar de ideia e continuar pensando que nada vai mudar pra pior, tomara mesmo que eu esteja errado quanto a perspectiva pessimista. Em todo caso, preciso no mínimo dar um voto de confiança em quem escolhi pra votar senão estaria me contradizendo (e sugiro que façam todos o mesmo). Espero que dê tudo certo pra Medeiros. Pro mal ou pro bem, temos todos por fim é que ter cuidado ao especular o fato sem fundamentação senão fica parecendo politicagem barata e, quando isso ocorre, perdesse o respeito pela opinião do outro. Todos, absolutamente TODOS (morando aqui ou não) tem SIM o direito de opinar, falar, dizer o que pensa, vivemos numa democracia, TODOS pagamos impostos e isso faz parte do processo. Dizer o contrário é defender a censura e ir contra o direito a liberdade de expressão.

No mais e apesar de tudo, peço que todos sejamos mais calmos ao expor as ideias afinal o que está se discutindo aqui não é um problema, é um benefício. E para benfeitorias não se bate a porta na cara, se estuda, adapta para que o maior proveito seja tirado e se implanta. O povo as vezes é muito cruel e não vê por todos os ângulos, imagino o quanto deva ter sido difícil a liberação desse recurso. E agora que está liberado torço muito para que seja usado da melhor forma possível, e a melhor forma possível na minha humilde opinião é: Asfalto sim, mas fora da cidade desde o início da obra, não vamos deixar nada pra depois, afinal quem pode garantir que no futuro esse "depois" não vá se tornar mais caro que todo esse projeto já vai ser?

Parabéns para a prefeitura pela coragem em tocar este projeto. Tomara que dê tudo certo.


Link da notícia que autoriza a obra: http://www.der.mg.gov.br/component/content/article/1933-vice-governador-determina-inicio-de-asfaltamento-em-rodovia-para-ligar-duas-regioes-do-estado

Link do mapa onde mostra que não haverá desvio em Medeiros (mas em Bambuí sim) : http://www.der.mg.gov.br/mapa-rodoviario

2 Comentários - :

Adalberto Menezes disse...

Concordo plenamente, em principalmente quanto ao ROI...

EtherLords disse...

"O povo as vezes é muito cruel e não vê por todos os ângulos"
em TUDO é assim, triste ignorância.

Postar um comentário

Por favor! Comente! Pode ser qualquer coisa!